Estação Virtual

 

 


André Barcinski

Agora que o escândalo Sexgate ameaça acabar com a carreira política de Bill Clinton, é uma boa hora para voltar no tempo e assistir a The War Room, um documentário de 1994 sobre a vitoriosa campanha preseidencial de Clinton em 1992. O filme foi dirigido pelo veteraníssimo D.A. Pennebaker e por sua esposa, Chris Hegedus.

Pennebaker é um dos expoentes do "direct cinema", ou "cinema direto", uma escola americana de documentaristas criada por Richard Leacock e Robert Drew no fim dos anos 50 e que privilegiava um estilo hiperrealista de filmagem, sem interferência da câmera na realidade que estava sendo documentada. Para esses sujeitos, o importante era capturar o momento. O documentarista deveria ser um observador imparcial da realidade, ao contrário de outros cineastas que preferem ordenar seus documentários com roteiros e situações pré-armadas.

Pennebaker dirigiu alguns clássicos do documentário de rock, como Don’t Look Back (1967), sobre uma turnê inglesa de Bob Dylan, Monterey Pop (1968), sobre o famoso festival de rock, e Ziggy Stardust and the Spiders from Mars (1973), com David Bowie. Em The War Room, seu estilo continua inalterado: a sensação que se tem é a de que o filme foi gravado com câmeras escondidas, tamanha a naturalidade das situações e a espontaneidade dos personagens retratados.

Os personagens principais do filme são James Carville, estrategista político da campanha, e George Stephanopoulos, assessor de imprensa da chapa Democrata. Pennebaker e Hegedus acompanham os dois por quase um ano, começando na convenção Democrata e terminando no dia da posse. Se a vitória de Clinton não teve muito de emocionante, já que ele obliterou Bush nas urnas, os bastidores da campanha rendem muitas seqüências interessantes. É engraçado ver a reação de Carville às primeiras reportagens sobre os casos extramatrimoniais de Clinton, publicadas em tablóides sensacionalistas. Fica evidente que o trabalho do "estrategista" muitas vezes se resume a apagar incêndios e controlar a mídia. E para quem acha que campanhas políticas são coordenadas por guerreiros experientes e infalíveis, é curioso ver Carville e Stephanopoulos suando frio porque não conseguem se dedicir pela cor de um cartaz de campanha. The War Room é um ótimo filme que mostra, sem truques, o lado humano da máquina política.

volta


LouChris Hegedus e D.A. Pennebaker, nas filmagens de The War Room


The War Room